Animais eram usados de isca viva para tubarões em um caso terrível de crueldade animal

4
1228

Na Ilha de Reunião, na França, havia uma técnica de pesca de tubarão baseada no uso de cachorros e gatos vivos como iscas.Os cachorros eram presos com grandes ganchos que perfuraram sua pele. Para além disso, eles eram amarrados a um tubo insuflável para que não se afundassem, esperando que os tubarões os devorassem e ficassem presos nos “anzóis”.

Uma estação televisiva Francesa, angariou entre Abril e Outubro desse mesmo ano 400 mil assinaturas, graças à sua página de Internet. Isso foi enviado a François Barquin, ministro das colônias francesas. Ele foi capaz de impor severas sentenças de prisão, a esterilização desses animais e a proibição de animais domésticos em embarcações.

Tudo isso foi possível graças ao fato de que em 2005 um cão foi encontrado na costa dessa ilha. Acredita-se que conseguiu quebrar o gancho na linha de pesca e chegar à praia nadando. Era um Labrador de seis meses de idade… Após a recuperação do animal, ele foi devolvido aos seus proprietários originais!

Em 2006, um jornal da Ilha de Reunião admitiu que esse tipo de pesca era praticada na ilha. Dizendo que não era uma atividade muito comum, nem um fato bem conhecido publicamente. Isso contradiz parcialmente as informações fornecidas pelas sociedades animais.

“Quase todas as semanas há cães com ganchos em seus focinhos, sem contar os gatos parcialmente comidos pelos tubarões na costa”. Disse Fabienne Jouve, do Grupo de Reflexão e Ação para Animais. Uma organização que defende os direitos dos animais. Em 2009, houve apenas dois ou três casos isolados…

Felizmente, hoje em dia essas crueldades já deixaram de existir! No entanto, as autoridades devem continuar alerta de modo a prevenir situações futuras!

4 COMENTÁRIOS

  1. Isso não são filhos de Deus isso são filhos de lucifer porque filhos de Deus não faz uma maldade dessa. Tenho nojo desse tipo de ser que se diz humano

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.